Mercado FinanceiroNotícias

Trigo branqueador atende demanda gerando liquidez nas negociações

Cultivar tem um dos pacotes agronômicos mais completos do mercado e está disponível para os produtores paranaenses e para o Cerrado já na safra de 2020

Com um consumidor cada vez mais exigente, indústrias inovando e qualificando seus produtos e o triticultor buscando alternativas para ter mais rentabilidade no negócio, o mercado de trigos diferenciados se expande a cada safra. O trigo branqueador é um exemplo de como técnicas modernas de melhoramento genético evoluíram para atender a essas demandas. TBIO Duque é a nova cultivar desenvolvida pela Biotrigo Genética que chega nessa safra com dois grandes diferenciais no segmento dos trigos branqueadores: segurança para quem produz esse tipo de grão, através de uma maior resistência às doenças de difícil controle, e aumento do potencial produtivo.

Siga-nos no facebook e instagram

Essas características foram essenciais para que a cooperativa Cocamar, de Maringá, no Paraná, passasse a recomendar a produção do trigo branqueador para seus cooperados. Até 2017 o produtor não recebia nenhum direcionamento para produzir determinado tipo de cultivar. Segundo o gerente técnico de culturas anuais da Cocamar, Rafael Herrig Furlanetto, foi a partir da aquisição do moinho de trigo que a cooperativa identificou a demanda da indústria e de seus clientes por farinhas especiais, e que, para isso, necessitava de matéria-prima de qualidade. “O trigo branqueador é um produto especial pois viabiliza todos os elos da cadeia e com o TBIO Duque, o cooperado ganha cultivando um material moderno, com alto teto produtivo e bom pacote fitossanitário”, destaca.

Três pilares no pacote fitossanitário

Responder a demanda do mercado consumidor, aliando liquidez e segurança no campo são algumas das principais vantagens do TBIO Duque. Os pilares da cultivar, que incluem nota 7 para a resistência à Brusone na folha e espiga; tolerância à germinação na espiga e ótima reação à seca, atendem a preocupação do produtor por um bom pacote fitossanitário. O supervisor comercial da Biotrigo, Deodato Matias Junior, explica que a cultivar vai alavancar a produção desse tipo de trigo tão demandado no mercado. “TBIO Duque se diferencia pelo seu alto nível de resistência às principais doenças, como Manchas Foliares, Bacteriose, Brusone e germinação na espiga, facilitando a condução e reduzindo proporcionalmente os custos da lavoura, além de trazer em sua genética a credibilidade, qualidade e a excelente produtividade dos trigos que o originaram: TBIO Noble – melhorador/branqueador para farinhas fortes e claras – e TBIO Toruk – a cultivar de trigo mais semeada do Brasil por seu rendimento já amplamente reconhecido. Esta última característica de alto rendimento, foi algo que TBIO Duque herdou e com certeza o diferencia das demais cultivares do segmento branqueador”, explica.

Foto 02 TBIO Duque pão
Trigo pão branqueador, se destaca desde o campo até a indústria, sendo um material de ciclo, sanidade e produtividade diferenciada.
Foto: Divulgação Biotrigo/Rafael Czamanski

Influência do padrão de consumo brasileiro

Kênia Meneguzzi, supervisora de qualidade industrial da Biotrigo Genética, destaca que o cruzamento dos materiais através do melhoramento genético realizado pela empresa tem total influência do padrão de consumo brasileiro. “Os consumidores do Brasil têm exigências muito particulares e que mudam de região para região e a gente busca, através do melhoramento genético e dos testes de panificação, atender essas demandas para trazer mais liquidez tanto para quem produz – agricultores, moinhos e indústrias, que precisam de rentabilidade e segurança em seus processos – como para o consumidor – que deseja uma qualidade constante no produto final, ou seja, pães de forma mais macios e com miolo branquinho e o pão francês mais craquelado e com bom volume, entre outras características”. Essa demanda, segundo a supervisora, criou um nicho de mercado para o trigo branqueador.

Mas como garantir que o consumidor encontre nas gôndolas dos supermercados produtos que atendam às suas preferências? Segundo Kênia, são vários os fatores que influenciam na qualidade final, mas ainda durante os longos anos de pesquisa (em média 8 anos), são realizados milhares de testes das linhagens ainda em desenvolvimento no campo e também diretamente nos moinhos. “Recebendo o feedback positivo da indústria moageira e em seus testes de laboratório e padaria experimental, a Biotrigo dá sequência ao processo, lançando a nova cultivar no mercado. Porém, caso o feedback seja negativo, aquela linhagem é excluída do programa de melhoramento. Este é o nosso compromisso com a cadeia produtiva do trigo”, ressalta.

Projetos valorizam trigos branqueadores

Algumas cooperativas e cerealistas já trabalham com cultivares de trigo branqueadoras, remunerando o cereal com um diferencial de preço no momento da comercialização ou mesmo aumentando a liquidez na hora da venda. “TBIO Duque faz parte do portfólio aberto da Biotrigo. Porém, sempre se sugere que seja direcionado a trabalhos de segregação em unidades de recebimento para que suas características sejam mantidas”, complementa Deodato.

Um exemplo é a cooperativa Cocamar, que na safra de 2020 terá 10% da sua área destinada aos materiais branqueadores. Segundo Rafael, será o momento do produtor observar o desempenho dele no campo. Entretanto, o feedback da apresentação do TBIO Duque nos eventos e dias de campo já foi positivo. “O TBIO Toruk ainda é o material mais cultivado em nossa região. Duque, sendo filho de Toruk e trazendo o bom potencial produtivo, o gene para tolerância à brusone e o pacote fitossanitário compatível com o mercado, tem tudo para ganhar mais espaço na próxima safra”, prevê.

Características da cultivar:

  • Classificação pão branqueador;
  • Qualidade industrial aprovada pelos moinhos;
  • Ciclo precoce – mesmo de TBIO Audaz;
  • Filho de TBIO Toruk;
  • Recomendado para trabalhos de segregação em unidades de recebimento;
  • Alto teto produtivo;
  • Excelente sanidade nas folhas (Manchas, Ferrugem, Bacteriose);
  • Ótimo nível de segurança na espiga (Brusone, Giberela e germinação);
  • Facilidade na condução da lavoura; e
  • Ampla área de adaptação.

AGRONEWS BRASIL – Informação para quem produz

Por Biotrigo

Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar