Notícias

Sindieventos-MT repercute pesquisa que mostra os impactos do Covid-19 nos setores de turismo, negócios e eventos

Pouco mais de 2,7 mil empresas de diversos ramos de atuação, instaladas nos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal, participaram da pesquisa nacional realizada entre 13 a 22 de abril de 2020

Um dado interessante e ao mesmo tempo preocupante é que a maioria delas (98%) tiveram impactos provocados pela crise do novo coronavírus (Covid-19), refletindo diretamente nas suas atividades comerciais. 66 empresas em Mato Grosso contribuíram com a pesquisa feita pela unidade de gestão estratégica do Sebrae Nacional em conjunto com unidade de competitividade e parceiros, como Associação Brasileira de Empresa de Eventos (ABEOC Brasil) e União Brasileira dos Produtores de Feiras (UBRAFE).

Siga-nos: Facebook | Instagram | Youtube

Em todo país, 46,1% das empresas participantes da pesquisa foram prestadores de serviços de organização de feiras, congressos, exposições e festas. Em relação ao faturamento das empresas participantes, com dados do ano passado, 34,7% são consideradas MEIs, 21,5% Microempresas e 21% Empresas de Pequeno Porte.

Sobre as empresas que atuam com eventos, 70% delas afirmaram que realizam trabalhos locais/regionais, 41% desenvolvem trabalhos nacionais, 32% estaduais e 16% internacionais. O problema que a pandemia causada pela Covid-19 obrigou, apor meio de decretos municipais e estaduais, e até por recomendação de organizações de saúde, o cancelamento e/ou adiamento dos eventos, por provocarem aglomeração de pessoas. Com isso, a pesquisa revela que houve, em média, o cancelamento de 12 eventos e a remarcação de outras sete.

Por consequência, 35% das empresas tiveram que negociar créditos para utilização futura e outras 34% devolveram recursos/dinheiro para o contratante ou algum fornecedor. Os efeitos da crise com o isolamento social também forcaram as empresas a tomar medidas em relação aos funcionários. Ainda em cima da pesquisa, a presidente do Sindicato das Empresas de Eventos e Afins de Mato Grosso (Sindieventos-MT), Alcimar Moretti, explica que o primeiro momento foi sim pensar nos funcionários, mas que a demora em se resolver o problema pode acarretar a dispensa de funcionários.

alcimar moretti
Alcimar Moretti – Presidente do Sindieventos MT

“A pesquisa foi feita no começo da pandemia aqui no Brasil, por isso a decisão da maioria das empresas em colocar os funcionários em trabalho remoto ou dar a concessão de férias, mas como não há previsão de retorno das atividades, já está havendo a dispensa de funcionários”, explica a presidente do Sindieventos-MT.

Em relação ao faturamento das empresas no mês de março, se comparado com o mesmo período de 2019, 36,8% delas afirmaram que não apresentaram faturamento neste ano, 26,1% disseram que reduziu de 76% a 100%, para 16,2% houve redução de 51% a 75%, 8,2% delas expuseram redução de 26% a 50% e 3,6% das empresas houve redução em até 25%.

Alcimar Moretti indagou que se continuar do mesmo jeito, as empresas menos estruturadas, aquelas que não conseguem ter acesso a crédito ou que tenham capital de giro, elas, infelizmente, fecharão as portas e ainda ficarão endividadas. “Quem conseguir sobreviver neste período, só vai conseguir retomar as atividades em março de 2021. Por isso, a importância do acesso ao crédito, inclusive, com carência e facilidade de acesso pode salvar muitas empresas e muitos empregos”, concluiu.

Para ter aceso à pesquisa, clique AQUI.

AGRONEWS BRASIL – Informação para quem produz

Leia também: https://agronewsbrazil.com.br/mix-de-cobertura-ajuda-a-reciclar-nutrientes-do-solo-e-diminuir-custos-na-propriedade/

Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar