EmbrapaEspecialistas

BRS Capiaçu: Silagem com nova cultivar é 57% mais barata que milho

À primeira vista a cultivar do BRS Capiaçu desenvolvida pela Embrapa, apresenta maior produção de matéria seca e um menor custo em relação ao milho e a cana-de-açúcar.

Esse valor é 57% inferior ao custo de produção da silagem de milho, 42,3% da cana-de-açúcar e 43,7% do sorgo. A silagem deste capim constitui uma alternativa mais barata para suplementação do pasto no período da seca. Confira!

BRS Capiaçu
Diversos profissionais dos principais veículos de comunicação, com representação em 11 estados brasileiros percorrem a região Sudeste no 14º Road-show para Jornalistas e influenciadores do Agro – uma iniciativa da Texto Comunicação – Foto: Gabriel Muniz

Durante o Workshop “Tudo sobre a Cadeia do Leite para Comunicadores” realizado pela Embrapa Gado de Leite em SP (09), nós do portal AGRONEWS BRASIL tivemos a oportunidade de aprofundar ainda mais sobre o setor leiteiro no país. Esta foi a nossa primeira parada prevista no roteiro do 14º Road-show para Jornalistas e influenciadores do Agro, uma iniciativa da Texto Comunicação Corporativa. O Workshop contou com a participação de vários especialistas, em diversas áreas, que abordaram temas de grande relevância e novidades para toda a cadeia do leite.

Nesse sentido, uma das apresentações que nos chamou a atenção foi realizada pelo pesquisador, Paulino José Melo Andrade, que tratou sobre a alimentação de bovinos. Segundo afirmação do pesquisador, a alimentação adequada auxilia no aumento da produção de leite e aliada com matéria seca de alto rendimento, pode baratear significativamente os custos de produção. Confira abaixo a entrevista que fizemos com o pesquisador.

BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de silagem

O BRS Capiaçu é um capim-elefante (Pennisetum purpureum Schum), porém é mais produtivo que outras cultivares semelhantes. Nos testes realizados pela Embrapa, ele produziu 30% a mais em termos de volume de massa verde (50t/ha/ano) em comparação a outras cultivares utilizadas para produção de biomassa energética.

Depois das análises, identificamos que o Capiaçu também é mais nutritivo, ele tem mais proteína, ele tem mais energia e a qualidade de fibra dele é diferenciada.”, avalia Paulino Andrade. O grande destaque desta cultivar é justamente o custo-benefício, devido a sua produtividade (cerca de 30% a mais) aliada ao seu valor nutritivo.

“Quando colocamos na ponta do lápis, o Capiaçu se torna mais barato que opção de milho, mais barato que opção de sorgo, cana-de-açúcar então nem se compara. O produtor que faz contas vai acabar optando pelo BRS Capiaçu por causa destas condições: MAIS PRODUTIVO – BASTANTE NUTRITIVO – E DE AMPLA ADAPTAÇÃO NO BRASIL.“, explica Paulino.

BRS Capiaçu
Paulino José Andrade – Pesquisador Emabrapa | Road-show para jornalistas do agro – Foto: Ricardo Júnior

Garantia de produção do BRS Capiaçu

Atualmente, comparando-se o cultivo de Capiaçu com o cultivo de milho por exemplo, existem muitas variáveis que podem prejudicar a produtividade dos grãos, já no capim-elefante Capiaçu, estes efeitos são minimizados. Uma das interferências comuns, são os veranicos nas fases inicial e reprodutiva na produção de matéria seca de milho e sorgo, que podem ocasionar baixa produtividade. No caso do BRS Capiaçu, este fica estagnado no período seco e quando chove ele volta com força novamente. “Quando a gente compara a questão da colheita, de novo o BRS Capiaçu sai na frente. A janela de colheita do milho para silagem é muito pequena se comparada a do Capiaçu. Se precisarmos atrasar uns 15 dias a colheita do capim por algum motivo, isso não trará tanto impacto quanto no caso do milho.“, esclarece o pesquisador.

brs Capiaçu
A BRS Capiaçu pode ser cultivada em locais de clima tropical, sendo recomendada para o Bioma Mata Atlântica. Foto: Embrapa

Custos da matéria seca – comparativo

Da mesma forma, a estimativa do custo médio da matéria seca da silagem de BRS Capiaçu, considerando-se três colheitas/ano, é de R$ 130,85/tonelada. Esse valor é 57% inferior ao custo de produção da silagem de milho, 42,3% da cana-de-açúcar e 43,7% do sorgo. Devido à alta produtividade da BRS Capiaçu, a silagem produzida com este capim apresenta menores custos de produção por hectare, conforme podemos observar na tabela abaixo:

brs Capiaçu

Adaptação no Centro-Oeste brasileiro

Segundo o pesquisador, hoje, a recomendação do MAPA para o uso do BRS Capiaçu, fica restrita somente à região de Mata Atlântica – faixa da costa brasileira, do Sul ao Nordeste, mas isso não impede o seu cultivo em outras regiões. Conforme relatos de produtores, a variedade do capim elefante já é cultivada do Sul ao Norte do país, incluindo Região de Cerrado, com respostas interessantes. “Nós temos algumas informações de Mato Grosso e MS, com uma aceitação muito grande por parte dos produtores. Pelo que percebemos, o Capiaçu se encontra bastante difundido pelo Brasil Inteiro.”, afirma Paulino.

brs Capiaçu
A colheita da forragem pode ser realizada de forma manual ou mecanizada. A opção pela forma manual de colheita aumenta os custos de produção, quando comparada à colheita mecanizada. Foto: Embrapa

Alto desempenho, mas com os devidos cuidados

Enfim, para se garantir a excelente produtividade e valor nutricional do BRS Capiaçu, é importantíssimo que a pastagem seja tratada de fato como uma cultura. Esta cultivar tem porte alto (até 4,20 metros de altura), se destacando pela produtividade e pelo valor nutritivo da forragem quando comparada com outras cultivares de capim-elefante, mas isso exige alguns cuidados. “É impossível se conseguir uma massa dessas (com alto valor nutritivo), sem dar nada em troca. Então o que nós recomendamos é um cultivo bem feito, análise de solo, fazer a correção, entrar com Fósforo no plantio e depois fazer as coberturas (com Nitrogênio e Potássio). Essa adubação, pode ser também uma adubação orgânica, pois o produtor já tem o esterco na propriedade e pode usá-lo para baratear os custos, sendo usado parcial ou integralmente dependendo do tipo de esterco. O importante é ele repor estes nutrientes no solo.“, finaliza Paulino Andrade.

Quer saber mais sobre o BRS Capiaçu? Então clique aqui para baixar o comunicado técnico sobre esta cultivar de capim-elefante.

Por Vicente Delgado – AGRONEWS BRASIL

Etiquetas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar